segunda-feira, maio 07, 2007

VIDEOMATÓN: A humilhação rioavista às mãos do Gondomar


O Rio Ave teve uma tarde penosa contra o Gondomar. O futebol exibido voltou a ser lento, previsível, sem ideias para ultrapassar a teia defensiva armada por Nicolau Vaqueiro. Tal como na primeira volta, no Estádio S. Miguel, o Rio Ave não teve ousadia para dinamitar o sistema de 3 defesas dos gondomarenses, preferindo optar por um encaixe directo que estreitou o nosso ataque e serviu às mil maravilhas os interesses do actual 4º classificado da Liga de Honra. Infelizmente, um verdadeiro extremo como Gama só entrou quando o jogo estava irremediavelmente inquinado. E a ideia de adiantar Ricardo Jorge pelo flanco direito, deixando Danielson, Vilas Boas e Milhazes a contar Tarantini e Canales também não foi uma opção produtiva. Com Delson despistado, Laércio a sentir a bola queimar nos pés, Evandro demasiado pastoso, Chidi e Keita sem rasgos de inspiração, voltou a sobressair a entrega e raça de Niquinha. Mora evitou o segundo golo do Gondomar antes do intervalo, adiou a desgraça, mas também não teve solução para aquele incrível golo de canto, um balde de água fria do qual o Rio Ave nunca recuperou. É triste pensarmos que uma equipa que esteve 17 jogos sem perder de repente tornou-se psicologicamente tão frágil. Veja-se o banho de humildade e a garra demonstrada Gondomar, que deveriam servir de exemplo a alguns pseudo-craques...

6 Comments:

Caxineiro disse...

Começo por não perceber porque razão o editor deste blogue , que se quer de comentários concordantes ou não mas reservados a de sócios, adeptos e simpatizantes do GLORIOSO RIO AVE FUTEBOL CLUBE, não faz nada para preservar este espírito. Por exemplo, obrigar ao registo prévio de cada participante através de um nickname qualquer, que embora não evite a produção de bacoradas, pelo menos põe toda a gente a saber donde elas surgem. Se o João Carmo souber procurar um bom sistema counter para as visitas ao blogue até é possível chegar aos IP’s de cada moina que aqui costuma entrar de chancas.

Por mim, acho absolutamente indecente que se queira transformar isto num amontoado de inscrições anónimas como se estivessem a escrever na porta de um qualquer WC. Este blogue que se pretende de homenagem ao RIO AVE FC merece mais respeito de algumas hienas canalhas que têm andado por aqui a pastar e que se atrevem a aproveitar os momentos maus da equipa de futebol para produzirem aqui comentários acintosos e de puro prazer pelo insulto mais rasca e cobarde. Por mim aviso já que não estou interessado em entrar em conversas de cagadeira e que se isto continua assim e nada for feito para mudar este insulto ao Clube e ao Rioavismo deixo de participar neste blogue.

Sobre o que realmente interessa, que é a Alma Rioavista, eis alguns pontos corridos sobre o meu estado de espírito nesta altura:

1) O jogo de ontem foi um drama que não vou esquecer tão cedo, já não sei se pelo futebol que (não) vi, se pelo facto de pela primeira vez (que me lembre!) não ter conseguido soltar um som que fosse durante e depois do jogo. A única certeza que eu tenho é que “aquilo” não foi a equipa do RIO AVE que se viu no campeonato deste ano e nesse aspecto acho que o Evandro deve uma explicação porque ontem aqueles “atletas (não) batalharam” e deixaram-me dúvidas se realmente querem “alguma coisa na vida”. Neste momento (subindo ou não de divisão) só terão mais dois jogos para demonstrar que o que ele disse é mesmo verdade.

2) Acho que João Eusébio, com o que disse na conferência após o jogo, apenas quer dar a volta por cima junto dos jogadores e não os deixar perder o amor-próprio numa altura em que ainda há possibilidades de subida. Faz muito bem em não deitar a toalha ao chão, mau seria que o fizesse, mas convém que se vá mentalizando que é necessário aprofundar a explicação. Concordo no entanto que isso não deva nem tenha que ser expurgado agora, porque ainda há campeonato e ainda temos pretensões e também porque ser do RIO AVE tem que ser isto: LUTAR ATÈ AO FIM.

3) Juro que não percebo porque andam tantos Rioavistas preocupados com os borlistas nesta parte final do campeonato. Acompanhei os meus convidados no jogo com o Portimonense e alguns amigos que vieram comigo apanhar uma insolação a ver o Gondomar na bancada nascente e não reparei que fosse por culpa deles ou por terem assoprado muito que entrou o primeiro golo. Também não foi nenhum borlista que se levantou na bancada poente atrás do banco do RIO AVE aquando do 2º golo do Gondomar e se mandou pela porta fora aos berros com a família atrás. Que é um direito que cada simpatizante tem de protestar ou mostrar desagrado, aqui ou na Conchichina, porque as expectativas eram altas e a desilusão faz-nos perder a cabeça mas isso é algo que não percebo porque carga de água não é permitido aos ditos borlistas. È bom que se perceba que se não formos nós a dar o exemplo não serão aos que vêm de fora e de vez em quando que são exigíveis comportamentos à altura das circunstâncias.

4) Que depois dos pesadelos que foram estes três últimos jogos alguém vem dizer que estamos mal, que morremos na praia, que a equipa não presta, que alguns jogadores não são dignos da camisola que vestem ou que o treinador e não sei mais quem não está ao nível dos pergaminhos do Clube, eu não tenho nada a dizer porque são opiniões de cada um e num momento de grande desalento emocional. Agora que venham cá escrever que por causa disto é o fim-do-mundo, ou seja que é o RIO AVE FUTEBOL CLUBE que está em riscos de desaparecer, isso já é uma CALINADA de todo o tamanho e não posso deixar passar isso em claro.

5) Finalmente queria fazer referência ao facto de haver aqui nestes dois últimos posts, testemunhos de um grande Rioavismo (que é nos momentos maus que se vêem!) a maioria vindo de pessoas que eu conheço e de quem não esperava outra coisa. No entanto, peço licença para destacar e fazer MEU um trecho de alguém que não conheço (Renato Sousa, a quem deixo um grande abraço) e que ilustrou aquilo que eu sinto e acho que com toda a certeza todos os Rioavistas sentem e que é a única certeza que eu tenho neste momento.

“POR MUITOS GOLOS QUE FALHEM, OU FRANGOS QUE SOFRAM, NUNCA ME VIRAM NEM VERÃO APUPAR UM JOGADOR OU TREINADOR DO RIO AVE. APESAR DE TUDO, AS ALEGRIAS QUE ME DÃO SÃO MUITO MAIORES DO QUE AS PEQUENAS DESILUSÕES QUE POSSA SOFRER. SUBINDO OU NÃO, SEI QUE NA PRÓXIMA ÉPOCA ESTAREI A APOIÁ-LOS INCONDICIONALMENTE, A ESTES, OU AOS QUE ESTEJAM NA ALTURA A DEFENDER AS NOSSAS CORES.”


VIVA O RIO AVE FC!!!

AGORA E PARA SEMPRE!!!

Hugo Anjos disse...

Realmente foi triste ver vila-condenses festejarem o 3º golo do Gondomar, mas creio que foi mais produto do desencanto, e do desespero, que outra coisa. Melhores dias hão-de vir...

Anónimo disse...

Desculpe senhor Hugo Anjos, mas por favor tratemos bem a nossa língua materna:

Jamais se diz: "Melhores dias hão-de vir...", deve-se dizer "Melhores dias virão", o reflexo aqui não se pode aplicar!

Assim se fala, em bom português!

PS - Não podemos dar hipótese a alguns energúmenos que aqui andam, acusarem-nos de mal falar!
Peço a todos os Rioavistas que tenham cuidado ao falarem, pois assim, se já nos tratam por parolos, ainda vai ser pior!

Afonso Henriques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Afonso Henriques disse...

o anónimo das 12:53 AM deve ter estudado em coimbra.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.